quarta-feira, 17 de maio de 2017

Bruce Lee

"Seja como a água. 
Quando você a coloca em uma xícara ela torna-se a xícara, 
quando você a coloca em uma garrafa ela torna-se a garrafa. 
Diante de um obstáculo ela o circunda. Seja como a água..."


segunda-feira, 15 de maio de 2017

O que será dos produtores rurais?

Quando estudei Agronomia, na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, me indagava sobre um tema comum no meio agropecuário, o exôdo rural. Ainda jovem ficava pensando o que faria com que as pessoas desistissem de suas propriedades e sua forma de viver para buscar alternativas em centros urbanos?
Há anos venho trabalhando com desenvolvimento rural e a resposta àquela inquietação fica cada dia mais clara.
Temos três aspectos importantes nessa discussão. O primeiro é que os jovens de hoje tem outro perfil, mais globalizado, mesmo nas propriedades de mais difícil acesso. O que compromete em parte a sucessão familiar na atividade agropecuária.
O segundo ponto é a educação do nosso povo brasileiro que anda em baixa e não mais fortalece os vínculos familiares, as religiões, a cultura e as tradições. Quando nos afastamos disso, e o pior, por falta de acesso, nos afastamos dos princípios que dignificam a nossa tradicional agricultura familiar.
O terceiro ponto, e mais cruel, é a falta de políticas públicas de desenvolvimento rural e urbano para o nosso país. Políticas de longo prazo, estruturantes para um futuro digno a quem queira produzir.
Como ser agricultor familiar no Brasil sem recursos? Recursos físicos, edafoclimáticos, financeiros, econômicos ou mesmo recursos familiares? 
Por que, de alguma forma, as águas que inundam algumas regiões no Brasil não podem ser usadas para dar alento onde as secas imperam? Por que um pequeno produtor não tem acesso à crédito para sua produção de forma efetivamente diferenciada? Por que a taxa tributária e as normas de regulamentação nacional desfavorecem que quer industrializar sua produção rural e, assim, agregar maior valor ao que produz? Por que as energias alternativas, como a solar e a eólica, tão presentes no nosso nordeste, ainda são para poucos? Por que as regiões do nosso país não possuem integração efetiva? Por que dispomos de bilhões para construção de estádios de futebol e arenas multiuso, mas não temos estradas, portos e ferrovias para facilitar a logística de nossos produtos? Por que um produtor rural não pode se formalizar para alçar novos vôos sem perder seus direitos como trabalhador rural? Por que a água, bem essencial para a vida, não chega e não se propõe alternativas para que chegue ao semiárido? Por que nossos mares não podem ser dessalinizados para fornecer água potável a quem não tem? Por quê?
São tantos porquês que não se encerrariam em um simples blog. 
O produtor rural, e especialmente o agricultor familiar, é um guerreiro por natureza. Empreender no campo hoje, quando tudo se mostra desfavorável, é desigual. Principalmente quando o país não olha como devia. Mas, será que um dia o país se dará conta que no médio prazo pode não haver mais tantos guerreiros? Se seus filhos não quiserem mais? Quem produzirá os alimentos que tanto gostamos de consumir em nossas mesas? Será que o brasileiro se acostumará com as nossas commodities? Teremos grãos, carnes, leite e derivados, e???? Será que para produzir, mesmo esses produtos com perfil de grandes propriedades, não precisamos de outros produtos que só a agricultura familiar se dispõe a produzir?
Como será a lembrança de nosso queijos artesanais, de coalho, da canastra, e tantos outros? Daquela linguiçinha mineira? De um tucunaré assado? Do chá de boldo, quando tudo embrulha? E aquela cachaça artesanal? E o pequi em Goiás? E o cordeiro dos pampas? O porco no rolete no Paraná? E nossas saladas? E as batatinhas? Nossos orgânicos? E tantos outros?
Me preocupa o silêncio dos bons, como dizem por aí, e a inércia de quem tem o poder para mudar essa realidade.
A dúvida que fica é....o que será dos produtores rurais??? 


domingo, 14 de maio de 2017

Salve, Salve as Mães!

Um Feliz Dia das Mães às todas as mães que conheço. Às atuais, as futuras, e as que se foram, mas nunca deixarão de estar conosco.
Certa vez, conversando com um português, com toda a objetividade do povo lusitano que adoro, descobri que lá se comemora o Dia DA Mãe, e não DAS Mães, como por aqui. Expliquei a ele que no Brasil se usa o plural para que todas as mães fossem prestigiadas. Em sua simplicidade e naturalidade o mesmo me indagou: mas só temos uma! 
Como diria Bezerra da Silva: Certíssimo!!!
O importante é que nesse dia, seja no Brasil, em Portugal, ou onde mais se celebre a data, o dia é para pensarmos, lembrarmos, homenagearmos quem nos deu o que ninguém mais pode: o amor de mãe.

Mãe,
Que você tenha um dia iluminado e com muitos sorrisos.
Nossa distância física nesses momentos não anula nossa presença forte em nossas mentes todos os dias.
Te amo e lhe desejo, do fundo do meu coração: FELIZ DIA DAS MÃES!



 

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Tá puxado...

Há pessoas que corrompem, pessoas que se permitem corromper e há ainda aqueles poucos que não se deixam corromper. São poucos. Guerreiros. Infelizmente.
Quando vemos a realidade atual do nosso país, onde é necessário muito mais dinheiro para manter as campanhas partidárias para se repartir cargos e benefícios, do que para oferecer saúde, transporte, segurança e educação de qualidade a esse povo sofrido, percebemos que tudo está errado.
Há juízes que garantem que a justiça esteja acima de qualquer interesse pessoal, e por isso se justifica ganharem tanto ou mais que um Presidente, e há o nosso STF.
Somos motivo de piada no mundo todo. Não que não aconteça essas práticas na parte de cima da linha do Equador. Acontece e muito. Mas assim na cara de todos e nada se faz para colocar um ponto final nisso?
Temos partidos demais, e praticamente todos envoltos nessa névoa de obscuridade.
Temos cargos públicos demais para o resultado que se gera.
Temos benefícios e salários demais e acima da média nacional para quem tem foro privilegiado.
Temos recursos demais para a previdência quando se fala de cargos políticos, que acumulam aposentadorias altas e que tem direito de se aposentar muito antes dos 30, 35, 40, 45 anos que os brasileiros ditos normais necessitam.
Como vi por aí alguém dizendo, o silêncio dos bons é que preocupa.
Até quando vamos furar filas, estacionar em local proibido, aceitar pequenas corrupções de caráter e ética?
Será que nosso país tem correção???

 

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

À Vivi Costa, enquanto Costa, mas já já Baeta

A Primavera é a estação das flores. Esse é o momento no qual toda a natureza começa se tingir das mais diversas cores, aromas e temperos.
A minha Primavera se pintou em vermelho, na cor do meu coração, para me presentear com minha laranja metade. Como em um bom samba de mesa, meu amor nasceu e floresceu para que pudéssemos um dia nos conhecer na terra do sol e vivermos nossa linda história de vida.
O brinde hoje é pelo aniversário da minha inspiração por quem Vivi a esperar.
Que seu dia, minha linda, seja repleto de sorrisos e bons começos!
Começos de sonhos realizados, de danças perfeitas, de sons agradáveis e de carinhos recíprocos.
Parabéns pelo seu dia! E que a nossa música possa ser percebida por diversos corações que nos cercam. Que todos possam sentir por alguém o que tenho o privilégio de compartilhar com você.
Te amo!
Beijos,
Angelo 


segunda-feira, 30 de novembro de 2015

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Ao meu pai...

Hoje, se estivesse entre nós, meu pai completaria 71 anos de idade.
Quis o destino que sua passagem se fizesse muito cedo, aos seus 29 anos. Com ela veio uma grande batalha de minha mãe para criar dois filhos.
Temos muito de meu pai, eu e Claudio, mesmo sem ter tido o convívio como se deveria.
Meu irmão tinha dias de nascido e eu apenas um ano e meio.
Mas herdamos seus princípios e nos espelhamos nas histórias que ouvimos e das lembranças alheias de pessoas muito queridas.
Depois do contato espiritual que tive com ele no Chile, não caberia aqui relatar, o sinto sempre presente.
Nunca deixei de conversar com ele em minhas orações e sei que um dia nos encontraremos.
Ao meu pai Claudio Luiz Fiuza Baeta Neves deixo hoje meu abraço e meus votos que onde estiver continue nos iluminando e dando forças para que minha mãe continue conduzindo seu legado de ética e força.
Amém!


Não há como não pensar nessa música sem lembrar de tudo que poderíamos ter vivido. Te amo!


PAI
Fábio Jr.

Pai, pode ser que daqui a algum tempo
Haja tempo para gente ser mais
Muito mais que dois grandes amigos
Pai e filho talvez

Pai, pode ser que daí você sinta
Qualquer coisa entre esses vinte ou trinta
Longos anos em busca de paz

Pai, pode crer, eu tô bem eu vou indo
Estou tentando vivendo e pedindo
Com loucura para você renascer

Pai, eu não faço questão de ser tudo
Só não quero e não vou ficar mudo
Para falar de amor para você

Pai, senta aqui que o jantar está na mesa
Fala um pouco tua voz está tão presa
Nos ensina esse jogo da vida
Onde a vida só paga para ver

Pai, me perdoa essa insegurança
É que eu não sou mais aquela criança
Que um dia morrendo de medo
Nos teus braços você fez segredo
Nos teus passos você foi mais eu

Pai, eu cresci e não houve outro jeito
Quero só recostar no teu peito
Para pedir pra você ir lá em casa
E brincar de vovô com meu filho
No tapete da sala de estar

Pai, você foi meu herói, meu bandido
Hoje é mais muito mais que um amigo
Nem você nem ninguém tá sozinho
Você faz parte desse caminho
Que hoje eu sigo em paz