segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Salve Mestre Cartola!!!!

Quem me vê sorrindo
Cartola

Quem me vê sorrindo pensa que estou alegre
O meu sorriso é por consolação
Porque sei conter para ninguém ver
O pranto do meu coração


O que eu sofri por esse amor, talvez
Não compreendeste e se eu disser não crês
Depois de derramado, ainda soluçando
Tornei-me alegre, estou cantando


Quem me vê sorrindo...

Compreendi o erro de toda humanidade
Uns choram por prazer e outros com saudade
Jurei e a minha jura jamais eu quebrarei
Todo pranto esconderei


Quem me vê sorrindo...

sábado, 13 de dezembro de 2014

Estradas da Paz

Às vezes me sinto como um engenheiro recém formado tendo de fazer um grande projeto para unificar muitas estradas. 
É sempre difícil algumas escolhas, como contornar montanhas para que as curvas saiam suaves, ou como não exagerar nas retas. Em momentos do projeto deveremos encontrar bifurcações, ou até semáforos. Como alinhar tudo isso com que se aprende em um curso?
Pois bem, a vida nos apresenta estradas, escolhas e oportunidades. Tenho procurado as escolhas corretas, mesmo que sejam apenas para mim. Erros e incertezas sempre existirão, e nos ajudam no fortalecimento de nossas escolhas futuras.
Outras vezes nossas escolhas precisam estar alinhadas ou coerentes com as de outras pessoas, as quais nem sempre pensam como nós. Então nascem desafios e percalços. 
Como Fernando Pessoa dizia que guardava todas as pedras, pois um dia construiria um castelo, acredito que farei o mesmo. Eu mesmo.
Infelizmente não podemos querer que todos pensem dessa forma. Tenho de seguir minhas direções, mesmo sozinho, ancorados na coragem que me aparece nesses momentos. Às vezes a coragem se esconde, mas sei onde encontrá-la.
Estou apostando alto em bons caminhos pela frente, alguns caminhos são de terra, mas vou asfaltá-los com o tempo. Mesmo que precise mergulhar de cabeça no Delta do Ganges-Brahmaputra em busca da fertilidade das ideias.
Charlie Brown Jr. quando buscava aquela paz escreveu que a vida é feita de atitudes nem sempre decentes, não lhe julgam pela razão, mas pelos seus antecedentes.

Namastê!!!!


sábado, 22 de novembro de 2014

19 anos...

Aos dezenove anos de idade temos muitos sonhos e aspirações, assim como muitas incertezas e questionamentos. Somos donos de si, temos personalidade, conhecemos mais do que de fato, percebemos os defeitos (mais nos outros que em nós mesmos), e tendemos a ter um senso crítico aguçado. Pelo menos eu era assim.
O tempo passa e as gerações se modificam, se aperfeiçoam ou não, mas, de fato, mudam muito.
Há 19 anos eu não tinha muita maturidade, era estudante universitário, mas tive a oportunidade de ganhar o maior presente que um homem pode receber. Ser pai. Na época foi um acontecimento, um divisor de águas na minha vida. De repente, percebi que todo o conhecimento que tinha não podiam me dizer ou mensurar o que eu senti. Fernanda nasceu com muita saúde e personalidade.
Fernanda, minha primogênita e a filha mais bonita, veio ao mundo e me transformou em um homem de verdade. Aprendi com ela. Aprendemos, eu e Tatiana, sua mãe.
Amanhã minha pequena Fernanda completa 19 anos de idade. Tenho muito orgulho da mulher que Fernanda se tornou. Das suas convicções e aspirações.
Uma coisa, Fernanda, ainda lhe digo....nunca perca seus sonhos, continue sempre sonhando e buscando com valentia e ética seus objetivos. Eles virão e lhe darão a oportunidade de buscar novos sonhos sempre.
Meu sonho é poder ver seus filhos, e os filhos do Gabriel, grandes e com saúde. Quero estar por aqui ainda.
Continue com seu bom humor (genético, aliás! kkk) e com sua mente brilhante sempre intactos. A ética é um atributo Baeta herdado da vó Dotye que devemos preservar acima de tudo sempre!
Minha pequena Nananda que brincava comigo quando pequena se tornou na minha princesa velejadora. Te amo cada dia mais. Que nossa distância física nunca atrapalhe nossa proximidade de ideias e amor.
Tenha um Feliz Aniversário!
Por aqui farei muitos brindes à você e no final do ano vou buscar o meu beijo.

PARABÉNS!!!!






sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Dia Mundial de Combate à Fome e à Pobreza

A ONU criou o Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza, todos os anos no dia 17 de outubro, para estimular iniciativas de combate à fome e à pobreza. Mais de 180 países realizam ações nesse dia, porém com pouco eco....a não ser o eco político demagógico.

Em fevereiro de 2014, lendo uma biografia do Saramago, vi uns textos escritos por ele em 1996 que estão mais atuais que na época em que foi escrito:

"De um artigo de Eduardo Galeano: "Nunca foi menos democrática a economia mundial, nunca o mundo foi mais escandalosamente injusto. Em 1960, 20% da humanidade, a parte que mais bens possuía, era trinta vezes mais rica que os 20% mais necessitados. Em 1990, a diferença entre a prosperidade e o desamparo tinha subido para o dobro, e era de sessenta vezes. [...] E nos extremos dos extremos [...] 100 multimilionários dispõem atualmente da mesma riqueza que 1.500 milhões de pessoas".
In: Cadernos de Lanzarote, 11 de julho de 1996.

"Alguns números para a história do nosso maravilhoso século XX: 1.300 milhões de pessoas vivem abaixo do nível de pobreza absoluta; um terço delas subsiste com menos de 150 escudos diários; 750 milhões de pessoas estão desnutridas; mais de metade da população da Ásia vive na miséria; uma de cada duas pessoas ao sul do Saara está condenada à penúria; 15 milhões de crianças com menos de cinco anos morrem anualmente por doenças que poderiam evitar-se; dos 2.800 milhões de pessoas que constituem a mão-de-obra no mundo, 700 milhões estão subempregados e 120 milhões procuram trabalho em vão; há 1.000 milhões de analfabetos, dois terços dos quais são mulheres adultas; nas zonas rurais há 550 milhões de mulheres pobres, o que significa mais de 50% da população camponesa mundial... Hoje é o Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza. 
Que a todos faça bom proveito.
In: Cadernos de Lanzarote, 23 de outubro de 1996.

Essa, na minha opinião, é a verdadeira miopia política. 




quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Como um lápis desapontado

Às vezes pensamos que conhecemos as pessoas e de repente descobrimos que pessoas mudam. Nossas percepções nem sempre acompanham as mudanças e ficamos com o pensamento equivocadamente atrasado em relação à vida.
Nunca e Sempre são termos que merecem mais cuidado, pois se invertem com mudanças de atitudes ao longo do tempo.
Hoje fiquei meio pensativo e desapontado. Acontecimentos ruins nos mostram que o preço de decisões acertadas são altos. Podem ser justos, ou não, mas são altos.
Há pessoas que se esforçam para ser o que não deveriam.
Podem parecer reflexões vazias, mas são minhas reflexões como as de um lápis que, mesmo com ponta, anoiteceu desapontado.


terça-feira, 9 de setembro de 2014

Inversão total de valores

Sinceramente não sei nem mais no que refletir diante de tantos absurdos que tenho lido ultimamente. Direitos Humanos são direitos, não podem servir de plataforma política.
Porque é tão complicado para pessoas de bem aceitar o óbvio? Aceitar as diferenças?
As diferenças estão presentes desde que o mundo é mundo para garantir, dentre outras coisas, que nossa passagem não seja monótona. Como é bom ver diferenças. Como DEVERIA ser bom.
O fato de todos terem direitos por serem seres humanos deveria prevalecer diante da hipocrisia desses preconceitos absurdos. Se bem que se é preconceito...já é absurdo.
O fato de uma pessoa amar a outra a ponto de querer dividir sua vida com ela não deveria ter impeditivos civis, talvez para algumas religiões, mas perante a lei o fato de ser ou não do mesmo sexo deveria ser uma opção apenas para as pessoas envolvidas e não para um juiz ou para uma plataforma política.
Eu quero saber dos políticos o que eles podem trazer de propostas para alimentar o povo, educar o povo, cuidar da saúde do povo, facilitar a locomoção e o acesso ao mundo e coisas assim. Não faz sentido se discutir se um candidato é a favor ou contra gays, negros e outros grupos, que me recuso a chamar de minorias. Nunca vou concordar com isso.
A opção sexual e a cor da pele, assim como a religião de cada indivíduo não deveriam estar nessas pautas. A cor da pele de uma pessoa é uma herança genética que carrega a história de seus povos e tradições. E é maravilhoso podermos olhar ao redor e percebermos os matizes que a vida proporciona. Imagina que coisa terrível se tivéssemos todos a mesma cor.
A orientação sexual de cada um compete exclusivamente.... a cada um, ninguém pode ser discriminado.
Qualquer preconceito, em qualquer nível, deveria ser crime. Ponto. É um Direito Humano ser quem somos da forma que somos.
Aí escuto outras banalidades do tipo: candidato(a) é contra o casamento gay. E minha pergunta é: e se for? Será apenas uma pena para essa pessoa pensar assim. O que um Presidente pode fazer contra ou a favor disso? Presidente é EXECUTIVO, não é LEGISLATIVO. No máximo pode sancionar ou não, mas não lhe compete legislar.
O Brasil precisa de mudanças profundas, mas na educação básica. Para que pessoas possam se ver como pessoas e possam cuidar melhor desse planeta tão enfermo no qual ainda conseguimos morar.
Sou carioca e moro em Natal-RN. Desde que aqui cheguei ouvi muitas reclamações de preconceitos contra nordestinos, mas eu, enquanto do sudeste, sofri alguns preconceitos por isso aqui em pleno nordeste. Pela minha natureza carioca tiro de letra, pois não me importo com julgamentos, mas percebo que algumas pessoas sentem dificuldades de lidar com diferenças também culturais. Hoje sou nordestino por opção, mas não tenho nada contra nenhuma parte do Brasil, até pelo motivo de que cada parte..é do Brasil. Quer dizer, exceto o Estádio de São Januário, que é da Argentina. (Só pra descontrair!)
No próximo mês haverá um jogo de futebol entre Flamengo e América-RN no Arena das Dunas. O que poderia ser uma festa de uma única torcida por um bom jogo entre times irmãos já está se transformando em guerra antes do jogo acontecer. Já vi manifestações na internet dizendo que quem é do RN não pode torcer para times fora do RN. Novamente preconceito. Se esse bairrismo hipócrita levasse a algum lugar que não a desconstrução da noção de uma nação soberana eu ficaria quieto. Mas não leva.
Se esse bairrismo fosse levado à risca, porquê lutar pelos royalties de petróleo produzido no Espírito Santo?
Percebe?
No meu entendimento as riquezas de um país devem pertencer ao país. Seja essa riqueza financeira, cultural, histórica ou qualquer outra. Se o Brasil produz minério, petróleo e outras fontes de geração de royalties, seja qual for, esses recursos deveriam ser partilhados igualmente e proporcionalmente ao tamanho da população de cada estado.
Assim como o que produzimos de cultura e arte pudessem ser acessíveis a todos igualmente. A gente não quer só comida...
Martin Luther King há anos já dizia: "Aprendemos a voar como pássaros e a nadar como peixes, mas não aprendemos a conviver como irmãos".
Enquanto perdemos nosso tempo com bobagens deveríamos pensar melhor em quem faz as leis nesse país, leis que podem melhorar a qualidade de vida de todos nós.
Mais importante que as eleições para Presidente, onde se gastam bilhões de recursos de nossos bolsos, devíamos nos dedicar mais à base. Quem faz as leis no meu município, no meu estado e no meu país? Voto, como diz o jargão, tem consequência. 
O que nossas escolhas estão propondo para mudar de fato a nossa vida? 
Pense nisso.


sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Esperança em um mundo melhor!

Às vezes precisamos de muito pouco para fazer muito por outros. E outras vezes demoramos muito para fazer o pouco que poderia fazer a diferença. Na dúvida, apenas faça.

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Após o Dia dos Pais

Ontem foi um dia que sempre me tocou. Desde pequeno aprendi a driblar essa data, guardando no peito a tristeza da falta de abraços. Com um ano de idade perdi meu avô paterno e com um ano e meio perdi meu pai. Meu padrinho e tio-avô se foi poucos meses depois.
Cresci sem a figura paterna, embora com muitos tios maternos que me ajudaram muito, e com o tempo aprendi a ignorar datas como essa. Ao menos externamente.
Era difícil para uma criança ir à escola nessa época e ter de fazer desenhos e brinquedos em homenagem aos pais. E reuniões dos pais? Inocente, ficava com vergonha de ver minha mãe participando junto à outros pais.
Minha mãe foi minha pãe. Tenho certeza que ela fez o melhor que pôde e que surtiu efeito, mas essa fase foi muito complicada de ser internalizada.
Com o passar dos anos, essa passou a ser uma data esquecida e não celebrada.
As histórias que lembro de meu pai não foram vividas comigo, mas por meus parentes que me contavam, especialmente minhas avós. Embora ele sempre tenha estado ao meu lado.
Cresci e como toda evolução: o homem nasce, cresce...fica burro e casa. rs
Brincadeira! Para não perder o costume e deixar a coisa mais leve.
Mas com o tempo eu pude receber da vida o maior presente de um homem. Ter filhos.
Quando temos filhos, e filhos lindos como os meus, aprendemos a perceber a grandeza e a responsabilidade de poder ajudar a formar pessoas. Isso, por si, nos faz crescer além das estrelas. E me fez dar outro sentido a essa data. Me fez fazer dessa data a necessidade de transportá-la para todos os outros dias do ano. Devíamos ter o dia dos filhos.
Amo meus filhos mais que tudo.
Desde pequeno sempre conversei muito com meu pai. Em orações. Sempre o senti por perto. E, o que poucas pessoas sabem, pude ter a materialização da minha fé, e no momento mais difícil da minha vida.
Quando infartei e estava prestes a ser removido do hospital em Chillán, no Chile, para o hospital de Concepción de ambulância, já estava quase tendo um segundo infarto. O que teria sido fatal se o tivesse.
Estava delirando e com uma oscilação de pressão violentamente assustadora. Desde que fui internado estava entubado e sem uma peça de roupa, sem um telefone...nada, só um pequeno lençol. Após algumas informações truncadas e bagunçadas pelos meus delírios entendi que minha família, que comigo estava, estivesse me aguardando em Santiago, há 400 Km aproximadamente de onde eu estaria indo. Isso me desesperou. Os enfermeiros tentavam me acalmar dizendo que estaria tudo bem.
Quando cheguei ao hospital em Concepción fui direto à sala de cirurgia, pois meu estado estava muito crítico.Lá estando começou o procedimento de preparação para a cirurgia e eu no centro disso tudo. Nesse momento se fez um silêncio. Enfermeiros fazendo preparativos, médicos colocando luvas e afins, todo mundo conversando sobre situações de seus cotidianos e novamente....em no meio. Foi quando pensei comigo: "Estou ferrado. Vou morrer. Estou sozinho, sem um documento, longe das pessoas que conheço, em uma cidade estranha...vou rezar. E fechei meus olhos e rezei com bastante vontade. Quando estava rezando senti uma mão grande e fria encostando em meu peito. Pensei comigo: esse povo não vai nem deixar eu concluir minha orações. Ao abrir os olhos, minha surpresa. Em pé, materializado na minha frente e com a mão direita no meu peito: meu pai. Eu de olhos abertos. Vendo meu pai. E ele me disse: "Meu pequeno, vai dar tudo certo. Estou aqui do seu lado. Ainda não é a sua hora. Faça tudo o que eles mandarem. Ainda não é a sua hora". Essas palavras me encheram de força, pensei no que dizer ao meu pai, em frações de segundos, e fechei meus olhos, enchi de coragem e inspiração, e ao falar, abri os olhos...e o silêncio se desfez...médicos, enfermeiros e equipamentos faziam muito barulho e meu pai não mais estava materializado na minha frente. Relaxei, pois sabia que de alguma forma, ali ele estava.
Essa passagem fez com que eu pudesse encarar com mais tranquilidade e leveza o convívio de mais de 10 dias na UTI. As enfermeiras não entendiam, nem poderiam. Mas eu pude ter a força do meu pai. Como ele sabe que sou teimoso: aquela parte dele dizendo para fazer tudo que me mandassem foi cumprida à risca. À duras, porém compensadoras penas.
Alguns dias depois, minha mãe veio do Rio de Janeiro me visitar em Concepción. Quando chegou eu a vi meio atordoada e ela me abraçou e perguntou: você sentiu esse cheiro. Perguntei: que cheiro?, ela disse: Estranho, pensei ter sentido o cheiro do seu pai. No que respondi, após contar essa história: e é dele mesmo, ele está aqui.

Dali em diante essa data sempre será celebrada.

FELIZ DIA DOS PAIS!!!! Aos PAIS, PÃES e aos que, mesmo não sendo, se sentem como se fossem!!!! 


terça-feira, 22 de julho de 2014

Ponderações Baeta

A vida sempre segue seu rumo, mas nós definimos o fluxo da correnteza. Acredito nisso.
Nos cabe sempre o grau de intensidade que queremos o nosso rio vital.
Há cerca de um ano e meio percebi um divisor de águas na minha história. Foram muitos aprendizados de lá para cá, após meu infarto.
Acredito que hoje sou mais tolerante, mais atento e mais cuidadoso. Tenho diversos outros MAIS a serem adicionados ainda, é verdade. Mas o somatório tem sido exponencialmente multiplicado.
Nada é simples, porém, mesmo assim, nenhuma solução deve ser complexa.
Às vésperas de completar 4.2 tenho muito a agradecer. Perceber que tenho amigos especiais e pessoas que admiro e amo. Trabalho bastante e com o que amo fazer. Adoro meu ofício e sou apaixonado pela empresa que represento. Tenho dois filhos distintos e maravilhosos.
Perdi minha companheira de vida, minha vozinha, para um plano melhor, mas ela está sempre comigo.
Já andei de bicicletas, plantei árvores, escrevi livro (pequeno, mas foi) e ainda vou escrever um maior.
Cultivo amizades, celebro boas lembranças e comemoro os passos para novas conquistas.
Mantenho meu ritmo de leitura e intensifico o de exercícios, o primeiro mais prazeroso, é fato.
Agradeço aos céus e a cada um de meus amigos por fazerem parte das retas e curvas de minha estrada. Estrada que une Rios, de janeiros e dos grandes do norte.
Meu maior samba e minha melhor cachaça é aproveitar cada suspiro que essa vida linda proporciona.
Que venha o dia 24/07, com a certeza de uma longa sequencia de muitos anos pela frente.

Namastê!!!!


 
 

sábado, 12 de julho de 2014

InovAÇÃO e Criatividade

Realmente, só quem passa ou passou por isso é que vai entender.
Em algumas situações me lembrei da época de UFRuralRJ, tanto na República como no Alojamento.

Mas, segue ideias originais:








domingo, 11 de maio de 2014

Dia das Mães 2014

Hoje é um dia de emoções mistas e difíceis de expressar.
Apesar de ser carioca, venho de uma tradicional família mineira (TFM), que curte e valoriza bastante datas comemorativas, especialmente essa.
Eu, confesso, não sou muito atento a essas comemorações, exceto aniversários e Ano Novo, que para mim representam renovações energéticas bastante positivas.
Mas nunca deixo de participar.
2014 é uma ano difícil na minha família por ser o primeiro ano sem a presença física da matriarca, minha avó Joana. Essa sim curtía todas as datas!
Sei o quanto deve estar sendo complicado e doloroso para minha mãe, Dona Dotye, esse dia em especial, ainda mais longe de seus filhotes. Mesmo com a insistência dela vir a morar conosco. Mas tudo bem.
Hoje, mãe, você representa a matriarca de nossa família, e em seu nome quero registrar meu abraço e meus beijos a TODAS as mães, pães e irmães que conheço!
Que todos tenham um DIA DAS MÃES com muita paz, com muito amor e muita construção de planos positivos que proporcionem muitos momentos mágicos ao lado delas, nesse curto espaço de tempo que vivemos e chamamos: VIDA.
Minha avó querida, lá onde está, com certeza está abençoando toda a sua família e recebendo minhas orações em sua homenagem nesse dia dela e de todas as mães.
Ontem, na comemoração do Dia das Mães na Escola do Gabriel, um dos diretores leu um texto muito bonito, que mostrava a importância e a dificuldade em ser mãe nos dias atuais.
Tiro meu chapéu a todas essas mães, presentes, distantes, mas nunca ausentes e sempre participativas na vida de seus filhos.
Eu, enquanto filho mais velho e mais bonito, desejo a todas, em seu nome mamãe, um FELIZ DIA DAS MÃES!!!!

Beijo grande à quem é de beijo, abraços muitos para quem é de abraços, e beijos e abraços para quem ficou na dúvida!!!!!



quinta-feira, 1 de maio de 2014

Dia Internacional da Minha Mãe!!!!

O dia de hoje sempre foi motivo para comemorar, descansar e celebrar, mas nem tanto pelo feriado do Dia dos Trabalhadores e sim por uma data mais especial.
Hoje, a família comemora o Dia de uma trabalhadora, batalhadora e matriarca em específico.
Tá certo que é difícil encontrá-la nesse dia, ela costuma se esconder da data e dos dígitos a mais.
Hoje é o aniversário da minha mãe querida, Dona Dotye!!!!!
Minha mãe tem construído uma história linda e que está gerando muitos frutos. Sua história ainda tem muitos tijolos e cimentos, mas está em seu ponto alto.
Aprendi muito com minha mãe. Uma vez ela me disse que quando ela fizesse sua passagem (daqui a uns 238 anos pelo menos) talvez não nos deixasse nenhum bem material, mas deixaria como herança sua ÉTICA. Nunca esqueci disso, e fico feliz em poder dizer-te, mamãe, que essa herança já foi transmitida em vida. E está sendo passada aos seus netos Fernanda, Daniel e Gabriel, com toda certeza.
Aprendi a dar valor ao trabalho e aos amigos, aprendi a gostar de boa música, a gostar de viajar, a gostar do nosso Mengão, e tantas outras coisas.
Nesse dia, mamãe, embora distantes fisicamente, lhe desejo toda a saúde do mundo, com boas doses de amor, viagens à Natal e momentos mágicos, como esse da foto quando fomos ao Uruguai juntos em nossa primeira viagem sozinhos.
Te amo muito e sei que minha avó Joana está lhe abençoando e enviando muito de sua energia sempre positiva para que seu dia seja mais do que especial!
Celebre sim. Não se esconda. Mostre ao mundo a mulher maravilhosa que você é que me serve de exemplo.

Um beijo grande do seu filho mais carioca,
Angelo

domingo, 20 de abril de 2014

CUÁSCOA

A todos,
Desejo um Feliz Domingo de Páscoa! Com direito à muita energia positiva, orações, rezas, mantras, meditações e brindes aos verdadeiros amigos!
Simbologismos à parte, Bael Baeta já curtiu os ovinhos do Coelho da "Cuáscoa" e manda boas vibrações a todos também!!!!



domingo, 30 de março de 2014

Pensamento Ambiental #01


Quando falamos em desperdício, logo pensamos em perda, não aproveitamento, entre outros significados.
O uso de produtos de maneira exagerada e inadequada, a atitude de não usar os recursos já disponíveis, também é considerado desperdício. Ele pode ser tratado nos mais diversos campos da vida humana.

O que você acha de pensar em tudo aquilo que você pode mudar?

Fonte: Estudos na UCSEBRAE e na FGV On Line.

sábado, 22 de março de 2014

Minha opinião sobre a Copa

Tenho visto muitos comentários, muitas opiniões, muitas críticas e muita hipocrisia sobre a Copa do Mundo da FIFA no Brasil em 2014.
Quero fazer uma leitura isenta e apolítica do meu sentimento sobre a Copa. Ou ao menos isenta.
Mesmo sabendo da estratégia romana do "Pão e Circo", eu adoro futebol. Sempre adorei.
Quando pequeno minha família e amigos se reuniam para fazer festa, churrasco, confraternizações só para assistir todos juntos aos jogos da Copa pela televisão. Achava aquilo o máximo.
O mundo precisa dessa união. Desse sentimento de amizade. Sem banalizações ou qualquer tipo de violência, física ou moral.
O maior ganho de uma Copa do Mundo, independente de que país seja o campeão, é a união de pessoas que tem uma vida sempre atribulada. Como é bom estar com muitos amigos em plena terça ou quarta-feira, sem se preocupar com outras coisas. Pode ser um sentimento alienante? Pode ser. Mas é bom.
Não adianta levar o discurso para um lado político. Pois é sim uma conquista para o Brasil ter uma Copa aqui. Graças a esse evento podemos mostrar ao mundo as belezas que atraem investidores e novos recursos para financiar o que ludicamente protestamos nas ruas.
A pergunta que faço é: se tivéssemos hospitais, creches, escolas, estradas e tudo o mais....esses investimentos seriam justos?
E porque não os temos?
Do que adianta fazer protestos, dizer que preferimos hospitais, creches e escolas, se quando podemos, de fato, enumerar essas prioridades....não o fazemos?
Nenhum político pode fazer nada, de bom ou de ruim, se não for eleito.
Quem os elegem?
Quem são essas pessoas que detém o poder de colocar no alto escalão dos municípios, estados e do país outras pessoas que os representem e possuem o poder da caneta para fazer escolas, hospitais, creches, estradas e tantas coisas mais?
Do que adianta dizer IMAGINE NA COPA, se quando temos o momento certo de escolher e direcionar nosso futuro trocamos esse direito por tijolos, camisas, dinheiro e coisas de interesse próprio, que nunca permitirão construir hospitais, creches e escolas?
A Copa é culpada por isso?
A Copa é um evento capitalista sim. Mas quer resultado mais social que o efeito que gera nas pessoas de bem? Quer resultados mais justos que os investimentos que ela obriga que esses DONOS DAS CANETAS façam?
Obras de mobilidade e reformas de aeroportos estão ocorrendo no Brasil todo, isso fica. É pouco? Concordo. Mas se não fosse esse evento....nem isso teríamos.
Um evento pode ser a solução de nossos problemas? Não. Definitivamente.
Vai contribuir para a falta de infraestrutura pública de saúde e educação? Duvido.
Então sejamos honestos e menos hipócritas. Enquanto partidos políticos conduzem com maestria a opinião pública para protestos contra a Copa, ou melhor, contra outros partidos políticos, continuamos fornecendo para eles...o Circo. Na pura e essencial filosofia da Roma Antiga.
Esqueçamos "PÃO E CIRCO", embora em Roma, e vamos trocar por "AO CÉSAR O QUE É DE CÉSAR"!



domingo, 16 de março de 2014

Carta de Seattle, 1855


Hoje se celebra o Dia Nacional da Conscientização sobre as Mudanças Climáticas.
Tenho atualizado meus conhecimentos sobre sustentabilidade e lido algumas coisas sobre ecologia, quando me deparei com um texto muito atual, embora escrito em 1855. Trata-se da Carta de Seattle, ou apenas da carta que o Cacique Seathl (traduzido no inglês para Seattle), da tribo Dwamish, do Estado de Washington, escreveu ao Presidente dos Estados Unidos, Franklin Pierce, após o governo americano ter dado a entender que desejava adquirir o território da tribo.

Segue a carta que fala por si:

"O grande chefe de Washington mandou dizer que quer comprar a nossa terra. O grande chefe assegurou-nos também de sua amizade e de sua benevolência. Isto é gentil de sua parte, pois sabemos que ele não precisa da nossa amizade. Vamos pensar em sua oferta. Se não pensarmos, o homem branco virá com armas e tomará nossa terra. O grande chefe em Washington pode acreditar no que chefe Seatlle diz, com a mesma certeza com que os nossos irmãos brancos podem confiar na mudança das estações do ano. Minha palavra é como as estrelas, elas não empalidecem. Como podes comprar ou vender o céu, o calor da terra? Tal ideia é estranha. Nós não somos donos da pureza do ar ou do brilho da água. Como podes então comprá-los de nós? Decidimos apenas sobre coisas de nosso tempo. Toda esta terra é sagrada para meu povo. Cada folha reluzente, todas as praias de areia, cada véu de neblina nas florestas escuras, cada clareira e todos os insetos a zumbir são sagrados nas tradições e na crença de meu povo. Sabemos que homem branco não compreende nosso modo de viver. Para ele, um pedaço de terra é igual a outro. Porque ele é um estranho que vem de noite e rouba da terra tudo quanto necessita. A terra não é sua irmã, é sua inimiga, e depois de a esgotar, ele vai embora. Deixa para trás a cova de seu pai, sem remorsos. Rouba a terra dos seus filhos. Nada respeita. Esquece o cemitério dos antepassados e o direito dos filhos. Sua ganância empobrece a terra e deixa atrás só desertos. Tuas cidades são um tormento para os olhos do homem vermelho. Talvez seja assim por ser o homem vermelho um selvagem que nada compreende. Se eu decidir a aceitar, imporei uma condição. O homem branco deve tratar os animais como se fossem irmãos. Sou um selvagem e não compreendo que possa ser certo de outra forma. Vi milhares de bisões apodrecendo nas pradarias, abandonados pelo homem branco que os abatia a tiros disparados do trem. Sou um selvagem e não compreendo como um fumegante cavalo de ferro possa ser mais valioso do que um bisão que nós, os índios, matamos apenas para sustentar a nossa própria vida. O que é o homem sem os animais? Se todos os animais desaparecessem, os homens morreriam de solidão espiritual, porque tudo quanto acontece aos animais pode também afetar os homens. Tudo está relacionado entre si. Tudo quanto fere a terra fere também os filhos da terra". 


segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Cultura Mundial perde Páez Vilaró

Fico triste com a notícia, pouco evidenciada pelas mídias brasileiras, de que o artista uruguaio Carlos Páz Vilaró fez sua passagem ontem. Veja aqui.
Tive a oportunidade de conhecer algumas de suas obras na genial Casapueblo, em Punta Del Este, no Uruguai, em companhia de minha mãe. Foi um passeio incrível onde pude perceber a magnitude e a pluralidade de um artista que transcende fronteiras.
90 anos foram pouco para a diversidade do legado artístico e cultura que deixou.








Adiós Vilaró! Que tenha a paz merecida refletida em suas obras.

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Triste constatação

A Argentina, definitivamente, é um país que me encanta e me surpreende sempre positivamente, especialmente nos campos da literatura e das artes.
Quino, considerado por muitos como o melhor cartunista do mundo, é o criador da personagem de quadrinhos Mafalda. Em uma de suas críticas bem humoradas, Quino conseguiu traduzir a triste constatação dos tempos modernos.
Vale meus parabéns e nossa reflexão....










É a crítica mais consistente sobre educação infantil que vi nos últimos anos.

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

O Problema dos 17 Camelos

Conta o conto que um homem, que tinha 17 camelos, morreu.
Quando o testamento foi aberto, dizia que: metade dos camelos ficaria para o filho mais velho, um terço para o segundo e um nono para o terceiro.

O que fazer?

Eram dezessete camelos: como dar a metade ao mais velho?
Um dos animais deveria ser cortado ao meio?
Tal não iria resolver, porque um terço deveria ser dado ao segundo filho.
E a nona parte ao terceiro.

É claro que os filhos correram em busca do homem mais erudito da cidade, o estudioso, o matemático.
Ele raciocinou muito e não conseguiu encontrar a solução.

Então alguém sugeriu: "É melhor procurarem alguém que saiba de camelos, não de matemática".

Procuraram assim o Sheik, homem bastante idoso e inculto, mas com muito saber de experiência feito.
Contaram-lhe o problema.
O velho riu e disse:
"É muito simples, não se preocupem".
Emprestou um dos seus camelos - eram agora 18 - e depois fez a divisão. Nove foram dados ao primeiro filho, que ficou satisfeito.
Ao segundo coube a terça parte - seis camelos - e ao terceiro filho foram dados dois camelos - a nona parte.
Sobrou um camelo: o que foi emprestado.

O velho pegou seu camelo de volta e disse: "Agora podem ir".

Esta história foi contada no livro "Palavras de Fogo", de Rajneesh, e serve para ilustrar a diferença entre a sabedoria e a erudição.
A cultura é abstrata, a sabedoria é terrena: a erudição são palavras e a sabedoria é experiência".

17 + 1 = 18
1º filho: 18 / 2 = 9
2º filho: 18 / 3 = 6
3º filho: 18 / 9 = 2
9 + 6 + 2 = 17 camelos
(está cumprido o testamento)
18 - 17 = 1
sobrou 1 camelo que foi entregue de volta ao seu proprietário.


terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Todo filho é pai da morte de seu pai!

Esse é um texto atribuído à Fabrício Carpinejar. Independente da autoria é um texto que nos traz uma boa reflexão...

"Feliz do filho que é pai de seu pai antes da morte, e triste do filho que aparece somente no enterro e não se despede um pouco por dia".

Há uma quebra na história familiar onde as idades se acumulam e se sobrepõem e a ordem natural não tem sentido: é quando o filho se torna pai de seu pai. É quando o pai envelhece e começa a trotear como se estivesse dentro de uma névoa. Lento, devagar, impreciso.
É quando aquele pai que segurava com força nossa mão já não tem como se levantar sozinho.
É quando aquele pai, outrora firme e intransponível, enfraquece de vez e demora o dobro da respiração para sair de seu lugar.
É quando aquele pai, que antigamente mandava e ordenava, hoje só suspira, só geme, só procura onde é a porta e onde é a janela - tudo é corredor, tudo é longe.
É quando aquele pai, antes disposto e trabalhador, fracassa ao tirar sua própria roupa e não lembrará de seus remédios.
E nós, como filhos, não faremos outra coisa senão trocar de papel e aceitar que somos responsáveis por aquela vida. Aquela vida que nos gerou depende de nossa vida para morrer em paz.
Todo filho é pai da morte de seu pai. Ou, quem sabe, a velhice do pai e da mãe seja curiosamente nossa última gravidez. Nosso último ensinamento. Fase para devolver os cuidados que nos foram confiados ao longo de décadas, de retribuir o amor com a amizade da escolta. E assim como mudamos a casa para atender nossos bebês, tapando tomadas e colocando cercadinhos, vamos alterar a rotina dos móveis para criar os nossos pais. Uma das primeiras transformações acontece no banheiro. Seremos pais de nossos pais na hora de pôr uma barra no box do chuveiro. A barra é emblemática. A barra é simbólica. A barra é inaugurar um cotovelo das águas.
Porque o chuveiro, simples e refrescante, agora é um temporal para os pés idosos de nossos protetores. Não podemos abandoná-los em nenhum momento, inventaremos nossos braços nas paredes. A casa de quem cuida dos pais tem braços dos filhos pelas paredes. Nossos braços estarão espalhados, sob a forma de corrimões. pois envelhecer é andar de mãos dadas com os objetos, envelhecer é subir escada mesmo sem degraus. Seremos estranhos em nossa residência. Observaremos cada detalhe com pavor e desconhecimento, com dúvida e preocupação. Seremos arquitetos, decoradores, engenheiros frustrados. Como não previmos que os pais adoecem e precisariam da gente? Nos arrependeremos dos sofás, das estátuas e do acesso caracol, nos arrependeremos de cada obstáculo e tapete.
E feliz do filho que é pai de seu pai antes da morte, e triste do filho que aparece somente no enterro e não se despede um pouco por dia.
Meu amigo José Klein acompanhou o pai até seus derradeiros minutos. No hospital, a enfermeira fazia a manobra da cama para a maca, buscando repor os lençóis, quando Zé gritou de sua cadeira:
- Deixa que eu ajudo.
Reuniu suas forças e pegou pela primeira vez seu pai no colo.
Colocou o rosto de seu pai contra seu peito.
Ajeitou em seus ombros o pai consumido pelo câncer: pequeno, enrugado, frágil, tremendo.
Ficou segurando um bom tempo, um tempo equivalente à sua infância, um tempo equivalente à sua adolescência, um bom tempo, um tempo interminável.
Embalou o pai de um lado para o outro.
Aninhou o pai.
Acalmou o pai.
E apenas dizia, sussurrando:
- Estou aqui, estou aqui, pai!
O que um pai quer apenas ouvir no fim de sua vida é que seu filho está ali.


Fonte: Enviado por e-mail por Dotye Maciel.

sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Salve, Salve Tia Surica!!!

Muito axé para Tia Surica! Que ela saia bem do CTI e se recupere logo.
Saudades da melhor feijoada do Rio de Janeiro!



Conhecimento gera conhecimento

"Se trocarmos canetas, eu e mais um de vocês, cada um sai com uma caneta.
Se trocarmos uma informação cada, cada um sai com duas informações.
Se formos um grupo grande e trocarmos informações, o resultado será multiplicado!"

Ilan Chamovitz, D.Sc. 
Fundação Getúlio Vargas

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Boas reflexões

"...hemos perdido en cien años las mejores virtudes humanas del siglo XIX: el idealismo febril y la prioridad de los sentimientos: el susto del amor.
En algún momento del próximo milenio la genética vislumbrará la eternidad de la vida humana como una realidad posible, la inteligencia electrónica soñará con la aventura quimérica de escribir una nueva Ilíada, y en su casa de la Luna habrá una pareja de enamorados de Ohio o de Ucrania, abrumados por la nostalgia, que se amarán en jardines de vidrio a la luz de la Tierra."

Gabriel García Márquez
In: Yo no vengo a decir un discurso


terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Geraldo Pereira

Tenho lido bastante sobre os grande nomes do samba de roda.
É difícil encontrar algumas biografias e textos que falem de samba, mas tenho peneirado pela internet e feito grandes achados.
Já li e ouvi João Nogueira, Cartola, Noel, Wilson Batista, algumas coisas sobre Martinho, Dona Ivone, Nelson Cavaquinho, Candeia, Ataulfo, Ary Barroso e muitos outros.
Esse mês estou lendo a biografia do Geraldo Pereira, um dos três mestres do samba carioca: Wilson, Geraldo e Noel. Além de ser muito divertido encontro pérolas que são gravadas até hoje, como essa que foi regravada na voz do grande Zeca Pagodinho, mesmo errando a letra na gravação:

 
Pisei num despacho
Geraldo Pereira e Elpídio Viana

Desde o dia em que passei
numa esquina e pisei num despacho
entro no samba meu corpo está duro
bem que eu procuro a cadência e não acho
meu samba e meus versos
não fazem sucesso
há sempre um porém
vou à gafieira
fico a noite inteira
no fim não dou sorte com ninguém.

Mas eu vou num canto
vou num pai-de-santo
pedir qualquer dia
que me dê uns passes
uns banhos de ervas e uma guia
está aqui o endereço
um senhor que eu conheço
me deu há três dias
o mais velho é batata
diz tudo na exata
é uma casa em Caxias.



domingo, 26 de janeiro de 2014

Encarando circunstâncias

O caminho perfeito não conhece dificuldades,
salvo que se recusa a eleger preferências.
Só quando liberto do ódio e do amor
é que se revela plenamente, sem disfarce.
A finura de um fio de cabelo
separa o céu do inferno.

Seng Ts'an
In: On Believing in Mind.


sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Maionese e Café

Quando as coisas da vida parecem demasiado, quando 24 horas por dia não são suficientes....lembre-se do vidro de maionese e do café.

Um professor, durante a sua aula de filosofia, sem dizer palavra, pega num vidro de maionese e esvazia-o.....tira a maionese e enche-o com bolas de golfe.
A seguir perguntou aos alunos se o frasco estava cheio. Os estudantes responderam que sim.
Então o professor pega numa caixa cheia de pedrinhas e mete-as no vidro de maionese. As pedrinhas encheram os espaços vazios entre as bolas de golfe.
O professor voltou a perguntar aos alunos se o vidro estava cheio, e eles voltaram a dizer que sim.
Então...o professor pegou noutra caixa, uma caixa cheia de areia, e esvaziou-a para dentro do vidro de maionese. Claro que a areia encheu todos os espaços vazios e uma vez mais o professor voltou a perguntar se o vidro estava cheio. Nesta ocasião os estudantes responderam em unânime "SIM!".
Em seguida o professor acrescentou 2 xícaras de café ao vidro e claro que o café preencheu todos os espaços vazios entre a areia. Os estudantes nesta ocasião começaram a rir-se..mas repararam que o professor estava sério e disse-lhes:
"QUERO QUE SE DÊEM CONTA QUE ESTE VIDRO REPRESENTA A VIDA".
As bolas de golfe são as coisas importantes: como a FAMÍLIA, a SAÚDE, os AMIGOS, tudo que você AMA DE VERDADE.
São coisas, que mesmo que se perdessemos todo o resto, nossas vidas continuariam cheias.
As pedrinhas são as outras coisas que importam como: o trabalho, a casa, o carro, etc.
A areia é todo o resto, as pequenas coisas.
Se puséssemos primeiro a areia no frasco, não haveria espaço para as pedrinhas nem para as bolas de golfe. O mesmo acontece com a vida.
Se gastássemos todo o nosso tempo e energia nas coisas pequenas, nunca teríamos lugar para as coisas realmente importantes.
Preste atenção às coisas que são cruciais para a sua felicidade.
Brinque ensinando os seus filhos.
Arranje tempo para ir ao médico.
Namore e vá com a sua/seu namorada(o)/marido/mulher jantar fora.
Dedique algumas horas para uma boa conversa e diversão com seus amigos.
Pratique o seu esporte ou hobbie favorito.
Haverá sempre tempo para trabalhar, limpar a casa, arrumar o quarto...
Ocupe-se sempre das "bolas de golfe", que representam as coisas que realmente importam na sua vida.
Estabeleça suas prioridades, o resto é só areia...
Porém, um dos estudantes levantou a mão e perguntou o que representaria, então, o café.
O professor sorriu e disse:
"O café é só para vos demonstrar, que não importa o quanto a nossa vida esteja ocupada, sempre haverá espaço para um café com um amigo".



Fonte: Informativo COCATREL, Três Pontas - MG.