sábado, 23 de novembro de 2013

Fernanda....a Baeta

Quando você nasceu, finalmente, caiu minha ficha que nada seria como antes.
Me transformei em um homem. Ali sim tive essa sensação. Um filho nos preenche de amor verdadeiro e responsabilidades reais, características que diferem meninos de homens.
Fui seu primeiro familiar a lhe dar banho. Você só conseguia dormir e arrotar comigo enquanto bebezinha.
Em cada conquista e em cada passo que dava estávamos juntos.
Pude lhe ensinar à andar de bicicleta, pude vê-la dizer suas primeiras palavras...mal sabia que faria delas verdadeiras armas anos mais tarde.
A vida traça rumos. Drummond dizia que haviam pedras nos caminhos. Artur da Távola dizia que haviam perdas nos caminhos. Se somarmos tudo posso te dizer que há amor de pai e de filha em todos os caminhos.
Primeiro nos separamos e começamos a viver em casas separadas. Você foi crescendo e virou uma menina linda, estudiosa e amante da leitura, das artes e da escrita. Começou a expressar-se por meio de sólidas e competentes frases. Uma escriba moderna e valente. Manifestações de suas inquietações e desenvolvimento enquanto mulher.
Depois nos separamos por muitas estradas e mares. No fundo, não desses mares, nos aproximamos na distância em um momento em que nos distanciávamos na proximidade.
Sim, você hoje é uma mulher. Tímida, insegura, confusa, porém meiga, inteligente, de personalidade forte e objetiva.
Meus cabelos, embora na mesma quantidade, alteraram sua coloração. Assim como minha experiência de vida. De perto ou de longe seremos sempre pai e filha.
Minha filha é o meu primeiro amor verdadeiro!
O primeiro amor nunca esquecemos. E hoje me emociono ao perceber que aquela menina indefesa que literalmente vi nascer, mesmo quase desmaiando de emoção na sala de parto, completa hoje sua maturidade. Hoje completam-se 18 anos que a vida me brindou com os seus olhos fortes, como o seu temperamento, e com sua presença diária em minhas orações.
Minha pequena virou minha princesa, depois minha menina, depois minha moça e hoje, já mulher e rainha de si, continua sendo minha filha querida que vi nascer.
Te amo do fundo desse meu coração velho e surrado. Parte desse coração que morreu há pouco não bate para a vida, mas sempre baterá por completo para você e Gabriel. Meus amores e minha razão de viver.
Feliz Aniversário Fernanda Baeta!
Que seus 18 anos sejam repletos de amor, esperança e surpresas boas, que preencham seu dia e suas estradas que você, agora, já pode traçar.
Posso não estar em algumas delas, mas saiba que em todas meu coração estará lhe amparando e torcendo contigo que te leve onde pretende chegar.
Dezoito vezes parabéns para você nessa data querida...


Um comentário:

  1. Felicidades, Fernanda! E para você também, meu amigo!

    ResponderExcluir